Responsive Ad Slot

CBF é punida pela Fifa por gritos homofóbicos em jogos do Brasil

Publicado 27/04/2017

/ Por: redacao@noticiasdealagoinhas.com.br

A Comissão Disciplinar da Fifa decidiu punir várias associações por conduta discriminatória e antidesportiva de seus torcedores durante as últimas partidas das Eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia de 2018, entre elas Brasil, Argentina e México. 

Segundo confirmou a Fifa, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) foi multada em 35.000 francos suíços (pouco mais de 111.000 reais), enquanto a Argentina foi multada em 20.000 francos (63.800 reais) e o México em 10.000 francos (31.900 reais) pelo comportamento de seus torcedores, com a constatação de gritos homofóbicos. 

Os gritos homofóbicos em jogos da seleção brasileira são recorrentes. Ocorreram nos jogos contra a Colômbia, em Manaus, e a Bolívia, em Natal, também pelas Eliminatórias. E pela terceira vez seguida ocorreram em São Paulo, contra o Paraguai. A multa mais alta foi para a Federação de Albânia e chega a 100.000 francos suíços (319.000 reais) por uma série de incidentes na partida contra a Itália, como o uso de material pirotécnico por parte de seus torcedores, que foi motivo de interrupção do encontro durante vários minutos. 

Por estes mesmos incidentes, a Fifa também puniu a Itália com uma multa de 15.000 francos suíços (47.800 reais). As outras multas estipuladas afetam as federações do Irã (50.000 francos suíços ou 159.000 reais), igualmente pelo uso de material pirotécnico e por ter passado da capacidade do estádio na partida perante a China, e para Bósnia e Herzegovina (26.500 francos suíços ou 84.500 reais), Polônia (17.500 francos suíços ou 55.800 reais) e Montenegro (15.000 francos suíços ou 47.800 reais). Estas três últimas punições também são consequência da utilização de material pirotécnico por parte dos torcedores. 

(Do EFE)
"Siga o Notícias de Alagoinhas no Twitter, curta nossa fanpage no Facebook, e fique atualizado com as principais notícias. Quer anunciar sua empresa? Clique aqui"

© Direitos reservados, Portal Notícias de Alagoinhas