Responsive Ad Slot

Centro Antiveneno da Bahia é referência em toxicologia no Nordeste

Publicado 28/08/2017

/ Por: redacao@noticiasdealagoinhas.com.br

Foto: Elói Corrêa/GOVBA
Inaugurado pela Secretaria de Saúde do Estado em agosto de 1980, o Centro Antiveneno da Bahia (Ciave) completa 37 anos de fundação. Para marcar a passagem da data é realizada a 3ª Semana Estadual de Prevenção das Intoxicações na sede da unidade localizada no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), no bairro do Cabula, em Salvador.

A programação, iniciada na manhã desta segunda-feira (28), conta com palestras, exposições de animais peçonhentos em estado de conserva e plantas tóxicas, distribuição de materiais educativos, além de ações sociais, a exemplo da doação de sangue pela equipe de profissionais do Ciave.

As comemorações envolvem capacitação, fator importante para a melhoria do serviço prestado à sociedade. O centro, referência em toxicologia no Nordeste, é responsável pela regulação e controle das atividades ligadas à toxicologia e ao envenenamento em todo o estado. O Ciave atua no apoio a ações de toxico vigilância em parceria com instituições de vigilância sanitária e epidemiológica; distribuição de soro antiveneno para hospitais regionais, além de garantir orientações para prevenção, diagnóstico e tratamento de intoxicação para profissionais da saúde e os cidadãos necessitados, por meio do telefone 0800 284 4343.   “O Ciave realiza um conjunto de serviços que possibilita mais conhecimento aos profissionais da saúde e, sobretudo, à população.

Tiramos dúvidas, orientamos e, quando necessário, realizamos atendimentos. Temos setores de pesquisa que estudam e buscam soluções para a prevenção do envenenamento e intoxicação“, explica o diretor do Ciave, Daniel Rebouças. A insttitução também realiza atendimento presencial para pacientes que dão entrada na emergência do Hospital Roberto Santos. Além disto, desenvolve estudos sobre animais peçonhentos em estado de conserva, assim como em plantas venenosas.  Os resultados servem de embasamento para atendimentos em seres humanos e animais.

Foto: Elói Corrêa/GOVBA
O Centro tem laboratórios dedicados à análise de sangue e urina para a obtenção de diagnósticos.   Somente no ano passado, mais de dez mil pessoas foram picadas por escorpião, por exemplo. O número assusta, mas com o apoio do Ciave quase não houve mortes.  Anualmente, o centro atende cerca de 7,5 mil ocorrências tóxicas, 16 mil acidentes por animais peçonhentos, além de 3 mil casos de intoxicação em geral, através de notificações recebidas pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), ocorridas em todos os municípios da Bahia.

Para isso, conta com equipe multidisciplinar com biólogos, psicólogos, enfermeiros, farmacêuticos, veterinários, toxicologistas e terapeuta ocupacional. Ao todo, são quarenta funcionários e 35 estagiários.   “Estudo em universidade pública e vejo o Ciave como uma grande oportunidade de aprender na prática o que aprendo na teoria em sala de aula. Sem dúvida é um grande diferencial para a minha formação”, afirma a universitária, Louise Lima, estudante do curso de farmácia.   A tentativa de suicídio é a segunda maior causa de intoxicação.

De acordo com dados do Ciave, representa 22% dos casos, sendo a maioria por uso abusivo de medicamentos. Esta demanda de pacientes é atendida pelo Núcleo de Estudos e Prevenção do Suicídio (Neps), com acompanhamento psicológico e psiquiátrico. O público-alvo são pacientes com depressão grave, entre outros fatores de risco.   “O Neps é um ambulatório de saúde mental que acolhe e atende pessoas que já tentaram o suicídio ou que tem potencial para fazer esta tentativa. Trabalhamos principalmente com a prevenção. Os atendimentos acontecem mediante agendamento que deve ser feito pelo telefone 3116-9440”, explica a coordenadora do núcleo, Soraya Carvalho.

Do Bahia Ja
"Siga o Notícias de Alagoinhas no Twitter, curta nossa fanpage no Facebook, e fique atualizado com as principais notícias. Quer anunciar sua empresa? Clique aqui"

© Direitos reservados, Portal Notícias de Alagoinhas