'Temo que ele possa fazer algo contra mim', diz ex de Fechine

(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
Apesar de amparada pela Lei Maria da Penha, que estabelece medidas protetivas, entre elas o distanciamento entre vítima e agressor, a vendedora Alexsandra do Nascimento, 43 anos, alterou sua rotina após tornar pública a agressão que sofreu do ex-namorado, o humorista Renato Fechine. Fechine não deve se aproximar a menos de 300 metros de Alexsandra e nem manter contato com ela ou com seus familiares.

O pedido da medida protetiva foi feito pela delegada Larissa Lage Barros, plantonista da Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (Deam) nesta segunda-feira (29), após Alexsandra prestar depoimento. A juíza Daniela Guimarães Gonzaga acatou o pedido no mesmo dia. A vendedora, mãe de dois filhos de outro relacionamento, teme represália desde quando denunciou as agressões que sofreu, após uma discussão.

Ela disse que foi atacada por Fechine com chutes e murros no lado esquerdo do rosto, na madrugada do dia 22 de janeiro. Segundo a ex-namorada do humorista, essa não foi a primeira vez que Fechine a agrediu - ela afirma que prestou duas queixas contra ele na Deam, mas não levou adiante. Alexsandra ficou três dias internada no Hospital Geral do Estado (HGE) e, ao sair, procurou novamente a Deam. Nesta segunda (29), ela prestou depoimento e deixou a unidade com medida protetiva que proíbe Fechine de se aproximar dela. “Nunca tinha sido agredida por nenhum homem em minha vida.

Além das lesões visíveis no corpo, minha cabeça ainda dói muito por causa de um coágulo. Terei que retornar ao médico”, disse ela por telefone. Alexsandra respondeu as declarações de Fechine - de que a briga não existiu e que Alexsandra teria agredido a si mesma. “Pelas imagens as pessoas podem ver que é impossível fazer uma agressão desse jeito em si própria. Estou tranquila. Quero que se faça justiça”, declarou.

Questionada pelo fato de algumas pessoas terem a criticado pelo fato de ter demorado de fazer a denúncia, a ex-namorada do humorista respondeu: “É fácil criticar. Quando a gente está com uma pessoa é porque a gente gosta, mas ficamos com vergonha quando essas coisas acontecem porque envolve também a família. Mas atualmente não estou preocupada com o julgamento das pessoas, mas sim que a justiça seja feita”.

Ela comentou também o fato de Renato Fechine ter dito ao CORREIO que a “lei Maria da Penha é imbecil”. “Não acho imbecil. Ela (lei) é uma conquista não só das mulheres, mas também de suas famílias, que sofrem junto”, disse. Um dia pós tornar o caso público, Alexsandra disse que tem refletido sobre tudo que vem acontecendo nas últimas horas. “Sou mãe. Tenho filhos. Só em pensar de meus filhos estarem acompanhando tudo isso, é motivo suficiente para me deixar arrasada. Fico triste, choro preocupada.

Quero só que tudo passe, acabe, quero viver uma nova vida. É uma situação difícil dolorosa, mas vou conseguir”.  O CORREIO procurou o humorista Renato Fechine, nesta terça (30), mas o celular dele estava desligado. A reportagem tentou falar com a delegada Aída Burgos, titular em exercício da Deam, mas não obteve retorno.

A assessoria de comunicação da Polícia Civil informou que Fechine foi intimado a prestar depoimento, mas ainda não compareceu na delegacia. Paraibano de Campina Grande e radicado em Salvador desde 1981, Fechine iniciou a carreira aos 12 anos tocando guitarra. Ele compôs dez músicas para o grupo É o Tchan, que estourou no país nos anos 90 e vendeu 15 milhões de discos. Entre elas, a Dança da Cordinha, A Nova Loira do Tchan, Lamba Tchan, Rasta Chinelo e Tempero do Amor.

Do Correio
'Temo que ele possa fazer algo contra mim', diz ex de Fechine 'Temo que ele possa fazer algo contra mim', diz ex de Fechine Reviewed by Portal Notícias de Alagoinhas on janeiro 30, 2018 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.