Funcionário de presídio da Mata Escura lucrava R$ 1 mil por semana para levar celular

Foto:MP-BA/Divulgação
O funcionário Emerson Cordeiro Felipe, da empresa de alimentação Nutriz, foi contratado para auxiliar na cozinha do Presídio de Salvador, no bairro da Mata Escura. Há dois anos e meio, no entanto, ele passou a prestar outro tipo de serviço, repassando facas, drogas e celulares para dentro da unidade (veja aqui).

O “negócio” era lucrativo. Para cada celular que levava, Emerson ganhava R$ 250. Já as facas custavam R$ 100. Por semana, segundo a investigação do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), o funcionário chegava a lucrar R$ 1 mil. O caso veio à tona na operação “A La Carte”, deflagrada pelo MP-BA na manhã desta sexta-feira (6).

Foram cumpridos mandados de prisão temporária expedidos contra Emerson e contra Jeferson Jesus da Costa – um interno do presídio, conhecido como Leôncio e que articulava, segundo a polícia, a entrada dos itens.  “Ele também recebia drogas como pagamento”, explica a coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), a promotora Ana Emanuela Rossi Meira.

Emerson, segundo ela, é acusado de levar os itens para o interno Jeferson, apontado como uma das lideranças do presídio. O preso também integra a facção criminosa do Comando da Paz (CP).  De acordo com a promotora, Emerson entregava os itens quando levava a refeição aos presos. “Como ele era responsável pela comida dos presos, no momento que ele repassava os alimentos para os internos, ele entregava também  esses bens.

O que consta, ainda, é que ele vinha com esse material e depois colocava em seu corpo, debaixo das suas vestes e no momento da entrega da alimentação, repassava esses materiais ilícitos”, completa a promotora. A investigação começou quando os agentes penitenciários flagraram uma conversa no Whatsapp entre um interno e o funcionário.

Na casa do suspeito, a polícia encontrou facas de diferentes tamanho e aparelhos celulares. Já na cela do preso, também foram encontradas agendas, que remetem à comercialização de droga, inclusive, com indicação de pessoas, valores, vendas e comercialização de drogas. A operação foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e pela Coordenação de Segurança e Inteligência (CSI).

(Correio)
Funcionário de presídio da Mata Escura lucrava R$ 1 mil por semana para levar celular Funcionário de presídio da Mata Escura lucrava R$ 1 mil por semana para levar celular Reviewed by Portal Notícias de Alagoinhas on abril 06, 2018 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.