Insulina em caneta começa a ser distribuída pelo SUS na Bahia

Foto: Divulgação
Com diagnóstico de diabetes há mais de três décadas, ela diz que às vezes a região fica toda dolorida após os furos diários, mas que precisa repetir esse ritual religiosamente para controlar o açúcar no sangue. Ela já ouviu falar da caneta de insulina, que dói menos, mas ainda não conseguiu ter acesso. É que só agora a insulina análoga rápida em caneta – um tipo moderno, produzido a partir da insulina humana e com ação mais curta - vai ser distribuída gratuitamente para os pacientes diabéticos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Embora a tecnologia já esteja disponível no mercado há pelo menos duas décadas, o primeiro lote de insulina em caneta adquirida pelo Ministério de Saúde (MS) foi encaminhado no mês passado, no embalo da Campanha Novembro Diabetes Azul, para ser distribuída gratuitamente em todos os estados, inclusive a Bahia. Segundo especialistas, um paciente que faz uso regular dessa insulina chega a consumir três canetas por mês. Se tiver que pagar por elas, o custo fixo mensal é de R$ 90.

O Brasil é o quarto país em número de diabéticos. A estimativa é que 425 milhões de pessoas vivam com a doença no mundo, mas só 50% sabe. Dos 50% que têm conhecimento, só metade recebe algum tipo de medicamento. São 14 milhões de diabéticos no Brasil.

Segundo dados do Ministério da Saúde, a doença afeta 5% dos baianos e 6,6% da população de Salvador. Há uma estimativa ainda que, 90% dos pacientes têm o diabetes do tipo 2 e só 10% apresentam o tipo 1, que é quando o pâncreas não produz insulina suficiente para queimar a glicose e é preciso tomar dosagens do hormônio para atender às necessidades do organismo.

Avanços

O anúncio da distribuição da insulina análoga rápida em caneta é considerado um avanço na rede pública. Porém, a portaria do Ministério da Saúde ainda deixa de fora pacientes como dona Vivalda.

É que o documento estabelece que o medicamento vai ser distribuído pelo SUS apenas para quem tem o diabetes tipo 1 e que cumpra alguns pré-requisitos: uso prévio de insulina regular por pelo menos três meses e quadro de hipoglicemia noturna repetida, grave ou não grave repetida nos últimos três meses. A estimativa do MS é que, no país, há pelo menos 400 mil pessoas que se enquadrem nesse perfil. Não há dados por estado.

O primeiro lote enviado para a Bahia tem 2.160 canetas. Segundo informações da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), embora a caneta de insulina análoga rápida só comece a chegar agora para os pacientes do SUS no país, na Bahia ela já é uma realidade. Desde 2012 o estado implantou um protocolo para esse fornecimento.

“A Sesab passou a realizar o fornecimento aos pacientes avaliados pelo Cedeba (Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia) pelos critérios estabelecidos pelo protocolo”, informa. Ainda segundo a pasta, são aproximadamente 2 mil pacientes cadastrados e, por mês, são distribuídas 7.139,4 ampolas de análogos de insulinas em caneta.

A Secretaria Municipal da Saúde de Salvador informa que há 131 Unidades Básicas de Saúde que fazem o atendimento e acompanhamento dos pacientes com Diabetes na capital, além dos Multicentros, Unidades de Urgência e Emergência e o Hospital Municipal de Salvador. 

Mais de 22 mil usuários com diabetes estão cadastrados no Sistema de Informação em Saúde da Atenção Básica e recebem o atendimento especializado. No período de janeiro a outubro de 2018, no município foram mais de 27 mil atendimentos realizados.

A advogada Larissa Rosado, que é portadora do tipo 1, e convive com a doença há mais de 30 anos, por exemplo, todos os meses se dirige ao Cedeba para recolher suas canetas de insulina e reconhece os avanços no tratamento do diabetes ao longo das últimas décadas.

“Sou do tempo em que a gente tinha que ferver a seringa para esterilizar, depois botava em uma caixa de metal e transportava em um isopor. A caneta a gente joga na bolsa, na mochila, e aplica em qualquer lugar. Uso até enquanto estou dirigindo”, conta Larissa.

Na avaliação da coordenadora de ações estratégicas do Cedeba, a endocrinologista Odelisa Silva Matos, a caneta é mais prática para o paciente, tem menos riscos de erro de dosagem, é de fácil manuseio para pessoas com alguma deficiência visual - já que emite som enquanto ela é girada -, além de ter uma aplicação menos dolorosa, por ter uma agulha menor.

Primeira-secretária da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Karla Melo, que participou diretamente da elaboração do dossiê encaminhado ao MS para reivindicar a inclusão da insulina análoga rápida em caneta no SUS defende que as vantagens do medicamento vão além da praticidade do uso para o paciente.

“Tem um efeito mais rápido e dura menos tempo no organismo. No caso da insulina humana regular, o paciente tem que tomar 30 minutos antes das refeições e ela tem um tempo de ação mais prolongada. O alimento chega no organismo, a glicose já aumentou, e a insulina ainda está sendo produzida. Há um descompasso entre a ingestão de alimentos e o tempo de ação da insulina”, explica Karla, que teve o diagnóstico da doença na infância e convive com ela há quatro décadas.
Ainda segundo a representante da SDB, o dossiê mostra que a insulina regular aumenta em 45% a chance de o paciente ter uma hipoglicemia noturna e em 32% o risco de ter uma hipoglicemia grave.  “Era para a insulina rápida ter sido disponibilizada desde o ano passado, ela chega com muito atraso”, avalia.

A expectativa dela é que a distribuição gratuita da caneta melhore a adesão ao tratamento, estimulando que os pacientes passem a aplicar a insulina sempre que for necessário e não mais apenas só quando acharem melhor. “Considero um ganho muito grande para o paciente, que vai ser traduzido em um melhor controle, evitando o risco dele desenvolver complicações”, diz.

Como a insulina rápida age

A insulina do tipo rápida começa a agir com 15 a 30 minutos, cobrindo aquele pico de glicemia que ocorre depois que a pessoa faz uma refeição.

“Toda vez que a gente come, nosso organismo avisa ao pâncreas, que faz uma produção maior de insulina para queimar aquela glicose que a gente comeu”, explica Odelisa. A insulina do tipo rápida age por até quatro horas e deve ser tomada imediatamente antes do momento das refeições.

Cada caneta possui 3 mls de insulina e cada ml tem 100 unidades de insulina. A dosagem que cada pessoa vai consumir depende de quanto ela pesa e da resistência que ela tem à insulina.

Presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia da Bahia, Joaquim Custódio da Silva Júnior explica que, para nortear o uso da insulina rápida, que é feito sempre antes das principais refeições, o usuário deve calcular a quantidade de carboidratos e, a partir daí, definir a dosagem de insulina para impedir que a glicemia suba.

“Se vai comer um pão francês de 30 gramas, por exemplo, a unidade de insulina consegue compensar 15 gramas, então tem que tomar duas unidades de insulina para compensar o pão”, exemplifica.

Ainda segundo Joaquim, a alimentação tem um papel chave no tratamento do diabetes e é necessário que haja um controle tanto do ponto de vista das calorias quanto dos carboidratos, que viram açúcar e aumentam a glicemia mais rápido.

“A gente estimula o paciente a aprender como o organismo reage aos alimentos para que ele possa fazer os ajustes de acordo com essa realidade. Não existe uma receita de bolo pronto. Cada paciente precisa ter sua orientação específica”, pondera.

Você é o que come

Com certeza você já ouviu aquele ditado que diz que 'você é o que você come'.  No caso dos pacientes com diabetes, o que ele come vai impactar diretamente na forma como a doença se manifesta e das complicações que a doença traz com ela.

“O paciente é responsável 100% pela forma com que ele vai conviver com o diabetes. A alimentação para uma pessoa com o diabetes tipo 1 tem que ser saudável. E um lema que eu já estabeleci é que o que nos mata não é a exceção, é a rotina. Todo mundo tem direito a ter seus dias de exceção e comer um brigadeiro, o que quiser, mas quanto melhor ele faz o ajuste de dose para a comida, menos impacto vai ter”, explica Karla.

A representante da SBD, Karla Melo, vai além. Ela ressalta que, hoje, além da insulina, os pacientes do SUS têm acesso a 100 fitas por mês para medir a glicemia. “Às vezes ele fura o dedo três vezes ao dia e não sabe que atitude tomar diante do glicosimetro. Tem que ensinar a ajustar a dose da insulina de acordo com valor da glicemia antes da refeição”, constata.

Ela defende que é preciso haver ações mais didáticas para ajudar no tratamento desses pacientes, sugerindo, por exemplo, que há casos em que é necessário imprimir um papel com a dose de refeição fixa e uma tabela em que a dosagem de insulina indicada vai aumentando de acordo com a glicemia.

“Ele vai furar o dedo, olhar a tabelinha e fazer o que está previsto.  É possível melhorar o controle com coisas que a gente já tem disponível. Os pacientes mais elaborados fazem a contagem do carboidrato. Existem aplicativos gratuitos para contar os carboidratos e estimar a dose de insulina”, informa.

Novo lote será entregue em fevereiro
Em uma área de 64 mil metros quadrados, equivalente a sete campos de futebol, em Montes Claros, Minas Gerais, as máquinas praticamente não descansam. Param apenas duas vezes no ano: no Natal e no Réveillon.

É na fábrica, considerada a maior unidade de produção de insulinas da América Latina, que mil funcionários se desdobram dia e noite para dar conta de uma produção que representa 15% da insulina consumida no mundo e 25,8% de toda as exportações nacional de medicamentos.

Trata-se da fábrica da Novo Nordisk, a responsável por produzir a insulina análoga rápida em caneta adquirida pelo Ministério da Saúde que está sendo distribuída, pela primeira vez, gratuitamente pelo SUS. Em janeiro de 2018, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu à fábrica autorização para fornecimento da insulina análoga de ação ultra-rápida – insulina asparte – ao mercado brasileiro.

O edital do MS definiu a aquisição de, aproximadamente, 8 milhões de canetas. Segundo a diretora de Acesso a Mercado, Relações Institucionais e Comunicação da marca, Simone Tcherniakovsky, o primeiro lote foi entregue em novembro e o segundo será em fevereiro. Cada caneta foi vendida para o SUS no processo licitatório por R$ 12,70.

“O fato de o governo fornecer é uma evolução, embora esteja no mercado privado há mais tempo. Para o SUS, a gente tem que olhar o impacto orçamentário para a população como um todo. Nesse caso, ele olhou só para os pacientes do tipo 1, que já é uma população grande”, considera Simone.

Atualmente, há três tipos de insulinas produzidas pela Novo Nordisk na planta de Montes Claros que são adquiridas pelo MS e distribuídas pelo SUS: a ultrarrápida em caneta, a NPH e a regular, tanto em frasco quanto em caneta. A partir de janeiro, a fábrica começa a fornecer também a insulina NPH em caneta, que até hoje só vinha sendo fornecida em frasco. A quantidade vai representar 15% da demanda hoje da NPH.

Vice-presidente e gerente geral da Novo Nordisk no Brasil, Allan Finkel reconhece que o percentual ainda é pequeno, mas ele acredita que essa aquisição deve crescer no futuro.

“Se você olha anos atrás, quando o Ministério da Saúde padronizou a insulina NPH ainda em frasco era uma quantidade muito menor. Em 2007 se falava em 9 milhões de frascos. Hoje o ministério compra 20 milhões, agora vai comprar as canetas. O processo agora deve ser exatamente o mesmo. Ele está iniciando, até porque não faz sentido comprar pra fazer um estoque, mas o próprio ministério deixa claro que a ideia é suprir uma quantidade cada vez maior de pacientes do SUS”, explica Allan.

Na avaliação de Finkel, o  programa do Ministério da Saúde já é considerado bom, mas ao dar essa flexibilidade para o paciente, considera que avança para que haja um melhor controle do diabetes e, consequentemente,  uma melhor qualidade de vida dos pacientes.

Onde encontrar produtos para diabéticos em Salvador:
Maison do Diabético - Rua Piauí, 140, loja 4, Pituba. Tel: 71-3240 8196
Dietfarma - Rua Minas Gerais, 227, Pituba. Tel: 71- 3354-0604
Saúde em Dia  - Avenida Paulo VI, 355, Pituba. Tel: 71 -3240-8554
Aplicativo que vai te ajudar
Glic: Nele, o usuário informa o que vai comer e o app vai calcular a dose de insulina que a pessoa vai precisar. Para baixar é gratuito e está disponível para Android e IOS

Do Correio
Insulina em caneta começa a ser distribuída pelo SUS na Bahia Insulina em caneta começa a ser distribuída pelo SUS na Bahia Reviewed by Portal Notícias de Alagoinhas on dezembro 02, 2018 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.