Com diversos pontos pelo corpo, mulher relembra atentado a mando do namorado: 'Dizia que eu ia morrer'

Foto: Reprodução/TV Bahia
Isabela Oliveira Conde, de 36 anos, que foi esfaqueada a mando do namorado em Salvador, detalhou, em entrevista à equipe da TV Bahia, como conseguiu sobreviver. Com pontos e hematomas pelo corpo, ela conta que recebeu 68 golpes de faca de dois homens contratados pelo namorado, homem que não só comandou como presenciou todo o atentado.

A vítima foi atacada na quinta-feira (28) de carnaval, após deixar o expediente em um hospital de Salvador, onde atua como fisioterapeuta. O namorado, Fábio Barbosa Vieira, de 37 anos, foi pegar Isabela no trabalho junto com dois homens, que seguiram no banco de trás do veículo.

"Quando entrei e vi dois rapazes no carro eu me assustei. Entrei, olhei e ele disse: Bela, esses dois são meus amigos e eles estão trabalhando comigo na venda dos abadás", contou Isabela.

No caminho, quando passavam pela Avenida Bonocô, umas das principais da capital baiana, os homens começaram a bater e esfaquear Isabela.

"Recebi um mata-leão dentro do carro mesmo. Eu perguntei: 'Fábio, o que está acontecendo?' Achei que os dois homens que estavam atrás tinham se revoltado e queriam me assaltar. Quando consegui folgar um pouco o braço [do homem] olhei para o lado e vi aquele homem frio, Fábio, dirigindo o carro tranquilamente. Eu falei: 'Fábio, me ajude'. E ele disse: 'Você vai morrer'", relatou.

Segundo Isabela, Fábio disse à polícia que pagou R$ 500 para que os homens a matassem. Entretanto, ela não soube detalhar se o total era para que a dupla dividisse entre si ou se Fábio pagou R$ 500 para cada um dos criminosos. O G1 tentou confirmar a informação com a Polícia Civil, mas até o momento da publicação desta reportagem, não conseguiu o dado.

"Quero Justiça, quero que Fábio pague pelo que cometeu. Segundo Fábio, foi R$ 500 reais que ele deu [para os homens]. Fábio estava o tempo todo estimulando para eles me matarem", relembrou.

Foto: Reprodução/TV Bahia
A fisioterapeuta conta que estava disposta a terminar o relacionamento e Fábio pode ter percebido que ela queria dar um ponto final na história do casal. Isso pode ter motivado a tentativa de homicídio.

Isabela relembra, ainda, que precisou se fingir de morta para sobreviver. Convencidos de que a fisioterapeuta estava morta, os homens a jogaram em uma área de mata da BR-324, no trecho do município de Simões Filho, região metropolitana de Salvador. Ela foi socorrida por pessoas que passavam pelo local e levada para o Hospital do Subúrbio, na capital baiana.

"Eu estava toda lavada de sangue, eles não perceberam [que estava viva]. Eu pensei: 'Vou fazer uma apneia longa'. Travei minha respiração, abaixei meu tronco e parei de me defender. Eles acharam que eu tinha morrido. Eles me arrastaram do carro e me jogaram na ribanceira", relatou.

Isabela está sem a visão de um dos olhos, mas disse que vai passar por uma cirurgia para tentar reverter a lesão.

Foto: Reprodução/TV Bahia
Caso

Fábio Vieira foi preso suspeito de mandar agredir e matar a companheira, na noite da quinta-feira (28), em Salvador. Os dois homens que atacaram a vítima a mando de Fábio ainda são procurados.

Conforme a polícia, o companheiro de Isabela, foi conduzido para Central de Flagrantes, na noite da quinta, onde foi autuado por tentativa de feminicídio e sequestro.

Segundo a polícia, o caso foi encaminhado para a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) do bairro de Periperi. Fábio está à disposição da Justiça. Os outros envolvidos são procurados. Fábio Barbosa Vieira está à disposição da Justiça. A Polícia Civil investiga o crime.

Isabela já recebeu alta do hospital, mas segue em um local que não pode ser divulgado, pois está sob medida protetiva

Do G1 Ba
Com diversos pontos pelo corpo, mulher relembra atentado a mando do namorado: 'Dizia que eu ia morrer' Com diversos pontos pelo corpo, mulher relembra atentado a mando do namorado: 'Dizia que eu ia morrer' Reviewed by Portal Notícias de Alagoinhas on março 09, 2019 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.