Foto: Reprodução/Getty Images
Com uma incidência de um caso a cada 455 pessoas em Salvador, a doença falciforme será tema de discussões e palestras na IX Semana de Mobilização da Doença Falciforme, inicida nesta segunda-feira (21), na Faculdade Bahiana de Medicina, no Cabula.

A doença hereditária atinge, principalmente, pessoas negras. A ação é promovida pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS), com foco em profissionais, estudantes, residentes, usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), pacientes e demais interessados na temática estiveram presentes na ocasião.

O tema central da abertura da semana foi a importância do autocuidado nos aspectos da saúde mental e bucal dos pacientes com a doença.

Ao longo da semana, 31 unidades de saúde vão realizar atividades voltadas a alertar os usuários sobre os principais sinais da doença, através de palestras, ações educativas, acolhimento e consultas, além de busca ativa de pacientes com a patologia. Segundo Marivone Monteiro, que é técnica do Campo Temático do Programa de Atenção às Pessoas com Doença Falciforme, o diagnóstico e o tratamento pode ser feito ainda no início da vida, com o teste do pezinho e o acompanhamento médico.

Do BNews