Foto: divulgação/Polícia Civil
A Polícia Civil do Rio Grande do Sul está investigando o caso da retirada de um corpo de dentro do túmulo que ocorreu nesta segunda (11/11) no cemitério de Gravataí, Região Metropolitana de Porto Alegre.

Segundo informações do Portal UOL, o corpo, de uma mulher de 49 anos, foi encontrado a cerca de 30 metros de onde havia sido enterrado, no último domingo (30/11). Como o corpo estava seminu, a polícia acredita que se trata de um caso de necrofilia - quando o cadáver sofre violência sexual -. A vítima havia morrido por conta de uma esclerose sistêmica.

O irmão da mulher foi avisado que a sepulta tinha sido violada por um telefonema anônimo. Ao chegar ao cemitério junto com outros irmãos, ele encontrou o caixão aberto. A empresa terceirizada, responsável pela administração do local, disse desconhecer o paradeiro do cadáver. Os irmãos, então, seguiram os rastros no chão batido, até chegar ao corpo. Familiares acionaram a Polícia Civil logo em seguida.

Os agentes isolaram o entorno da sepultura e a área onde o corpo da vítima havia sido encontrado. Para comprovar se houve o ato sexual, o Instituto Geral de Perícias foi chamado para colher o material genético nas partes íntimas do cadáver.

Conforme o Portal  Zero Hora, a segurança noturna do cemitério é feita por dois guardas. O titular da 1ª Delegacia de Polícia de Gravataí, Marcio Zachello, informou que nenhuma hipótese pode ser descartada, nem mesmo a de um ritual.

Para a investigação, a polícia pretende colher depoimento de funcionários da empresa responsável pela administração da unidade. A Prefeitura de Gravataí pediu para que a segurança fosse reforçada no local.

Do Aratu On