Foto: Reprodução
O  proprietário de uma agência de modelos em Feira de Santana está sendo acusado de assédio. As supostas vítimas deram queixa, na segunda-feira (6), na Delegacia de Atendimento à Mulher do município. O homem deve ser intimado para prestar esclarecimentos.

Segundo o Acorda Cidade, uma adolescente de 17 anos disse que saiu da agência por desconfiar de algumas atitudes do proprietário, mas acabou voltando. Contudo, ficou apenas três meses por conta do assédio que teria sofrido.

“Conheci a agência através do Instagram. Peguei o número do Whatsapp e mandei mensagem pra um dos produtores que usava o nome de Rafael de Paula. Ele prometia um monte de coisa. No começo, eu não fiquei na agência por conta de uma massagem que ele queria fazer no Rio. Achei estranho e não quis ficar. Depois, ele falou que ia ser na minha casa e que ia fazer umas fotos de biquíni no Rio. Fiquei com isso na cabeça e achei que eu devia ter entendido errado. Ele ficou me prometendo várias coisas e quando começou a fazer as massagens, ele passou a mão em mim. Ele falava que ia fazer clareamento e procedimentos estéticos”, relatou a moça ao Acorda Cidade.

A adolescente cita que, em uma das últimas massagens, após reclamar do comportamento dele, o homem a ameaçou dizendo que sabia onde o namorado dela morava e onde a família dela morava. O proprietário teria dito também que tinha um irmão policial e, se qualquer coisa estragasse a imagem dele e da agência, ela seria a culpada.

“A gente como mãe quer ver o sonho dos filhos realizados. Ela tem um sonho de ser modelo, a maioria das pessoas falava que essa agência era de confiança e eu embarquei junto com ela nessa. Infelizmente eu não enxerguei as coisas. Ele ia pra minha casa e fazia as massagens lá. Eu ficava por perto, mas ele tinha uma lábia e ganhou minha confiança e algumas vezes eles ficavam sozinhos. Eu sempre perguntava a ela se estava tudo bem, mas ele estava fazendo ameaças e ela não contava”, contou a mãe da adolescente.

Uma mulher de 23 anos também prestou queixa contra o proprietário da agência. “Começou nas massagens. Ele começou um clareamento na virilha e depois ele começou a introduzir o dedo, dizendo que a mulher produzia um liquido que ajudava no clareamento. Eu reclamei que não tinha gostado e ele disse que era normal. Além disso, ele pedia beijo, ficava abraçando a gente, tocava quando a gente ia tirar foto. Ele dizia que minhas fotos estavam ruins e se encostava, me tocava e dizia que era pra eu fazer cara de sensual. Eu falei pra ele que isso não estava me ajudando e ele reclamava”, descreveu a jovem.

Ela teria participado de quatro desfiles, mas nunca teria sido paga pelos trabalhos. A mulher lembra que o empresário algumas vezes ele dizia que o desfile era sem cachê e outras vezes que o pagamento seria em brindes, no entanto, ela garante que não recebeu nada.