Foto: Reprodução
Um vídeo em que jovens aparecem pulando e um deles leva uma rasteira e bate a cabeça no chão acabou viralizando na internet e tem gerado preocupação entre pais de crianças e adolescentes. O famoso “Desafio da rasteira” veio à tona agora, mas já vitimou uma adolescente de 16 anos, em novembro do ano passado, em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

A morte da jovem aconteceu na Escola Municipal Antônio Fagundes. Após a queda, Emanuela Medeiros foi socorrida pela direção da escola e levada para um hospital da cidade, mas sofreu traumatismo craniano e não resistiu.

Segundo a psicopedagoga Iris de Sá, é importante que os pais conversem com as crianças sobre os perigos dessa prática. “Brincadeiras perigosas sempre existiram, já que os adolescentes têm vontade de testar os limites. Eles fazem puramente por diversão, pelo movimento. Isso faz parte do desenvolvimento, mas temos sempre que estar atentos, já que eles não têm noção das consequências”, alertou a psicopedagoga, Iris de Sá, em entrevista ao BNews.

“É uma tragédia que pode ser evitada. É preciso ter adultos sempre próximos das crianças, nas horas de lazer, para que elas não fiquem sozinhas. Também é necessária muita orientação, explicando que esse tipo de brincadeira oferece riscos. Os educadores na escola também devem incentivar brincadeiras saudáveis, onde haja diversão, sem precisar do perigo”, sugeriu.