Foto: Reprodução

O Brasil contabilizou 393 casos confirmados do novo coronavírus até a tarde desta quarta-feira (18). Na Bahia, são 18 pacientes com a doença e 671 com suspeita da infecção. O rápido avanço do Covid-19 se deve, principalmente, à sua facilidade de transmissão. Mesmo com os governantes tomando medidas drásticas para frear o avanço da doença, ainda há muita gente utilizando a quarentena para se divertir nas ruas.

A praia do Porto da Barra, um dos cartões postais de Salvador, ficou bastante movimentada nesta quarta. Crianças, idosos e adultos se dividiam na areia e no mar.



O Ministério da Saúde já alertou diversas vezes que o momento é de isolamento social, ou seja, de evitar ao máximo sair de casa para que a doença não evolua e cause um colapso na saúde e na economia do país. A imprensa tem feito seu papel e divulgados informações a todo o momento sobre a necessidade da prevenção, mas parece que parte da sociedade ainda permanece alheia às consequências da pandemia.

Diante dessa “rebeldia”, a prefeitura de Salvador está avaliando se decreta a interdição das praias da capital baiana. O prefeito ACM Neto avisou que vai dialogar com os órgãos de segurança municipais e estaduais para analisar um plano e executar a medida já a partir do próximo fim de semana.

"A minha disposição é promover a interdição das praias mais frequentadas por banhistas para evitar aglomerações. Só que precisamos saber qual é a disposição da Guarda Municipal e da Polícia Militar para nos ajudar no cumprimento dessa norma. Vou conversar com o Governo do Estado, mas desejo da prefeitura é determinar a interdição das praias no final de semana e isso se estendendo de maneira permanente", explicou o gestor.



O momento não é de ir à praia, é de se cuidar e cuidar da família para que o coronavírus tenha o menor impacto possível no país. Salvador já decretou situação de emergência, a decisão será publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (19), e a prefeitura ainda anunciou o fechamento a partir do próximo sábado (21) de todos os shoppings centers, empreendimentos comerciais e correlatos.

Clínicas que funcionam dentro de shoppings, no entanto, terão autorização para funcionar. As medidas valerão por 15 dias, mas o prazo poderá ser ampliado. "Estamos também suspendendo o funcionamento do Mercado Modelo e do Elevador Lacerda", adiantou ACM Neto. Outros mercados municipais que vendem produtos essenciais não serão afetados.

*BNews