Dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) indicam que os números de internação de pacientes com insuficiência respiratória grave voltaram a subir de forma preocupante em estados que vinham registrando queda consistente. A informação é da coluna de Mônica Bergamo, na Folha.

Segundo pesquisadores, o Amapá, o Maranhão, o Ceará e o Rio de Janeiro dão sinais do que pode ser o início da chamada segunda onda da Covid-19 em seus territórios. O Amapá registrou o pico de internações entre 3 e 9 de maio —foram 65 casos naquela semana. Houve queda de 46% e o estado chegou a 35 casos. Agora, voltou a subir, para 59. No caso do Maranhão, foram 378 casos na semana de pico, número que caiu para 150. Agora voltou a subir, para 167 internações. O Ceará passou de 2.048 casos para 813 — e registrou 871 na semana passada. Já o Rio chegou a 2.844 internações em sua pior semana, baixou 60%, para 1.154 —e voltou a 1.367 entre 12 e 18 de julho.

“Os estados apresentavam queda, mas ainda tinham níveis altos de casos. E agora voltam a subir”, diz à coluna o pesquisador Marcelo Gomes, da Fiocruz, que coordena o Infogripe. “É preciso avaliar se há um salto por causa da retomada econômica, se há interiorização dos casos ou se são as duas coisas combinadas.”

O Infogripe, sistema da Fiocruz em parceria com o Ministério da Saúde, monitora os dados da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Brasil. Ela pode ser causada por vários vírus, mas em meio à pandemia, 96,7% dos casos confirmados de internação são de Covid-19.
metro1