Responsável pela venda de loja de chocolates em um shopping do Rio de Janeiro para o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), um empresário disse que foi ameaçado ao tentar denunciar que Flávio fraudava notas fiscais.

A loja é alvo de investigações do MP, pois seria uma forma do senador, então deputado, lavar o dinheiro da rachadinha proveniente de seu gabinete.  Em depoimento o empresário disse que a loja vendia produtos com valor abaixo da tabela, mas emitia o valor normal em notas fiscais.

Alexandre Ferreira Dias Santini, que aparece como sócio de Flávio na loja, é apontado pelo MP como um laranja do senador. Segundo o depoimento de Silva, Santini é acusado de intimidar a mulher do ex-dono da loja que denunciou a fraude nas notas fiscais, via e-mail, após a denúncia chegar a um grupo de Whatsapp dos franqueados.

RADAR DA BAHIA