Quebra de 35 anos sem vencer o Coritiba, vitória após cinco jogos e estreia com pé direito na Série A. Ingredientes satisfatórios para a torcida e elenco do Bahia, que venceu o Coritiba por 1 a 0 na noite desta quarta-feira (12), em Pituaçu. Rodriguinho, de pênalti, fez o único gol do jogo. Apesar do resultado positivo, o Bahia sofre uma pressão descomunal do Coritiba, mas também teve oportunidades perdidas no ataque, que poderia ter ampliado o placar. Roger Machado mudou a equipe: Ernando entrou no lugar de Lucas Fonseca e Daniel na vaga de Fernandão.

O treinador explicou as mudanças e disse que buscou aproveitar o melhor momento de cada atletas. Apesar de muitas críticas por parte da torcida, Roger afirmou que as trocas não foram motivadas por pressão. "A ideia, mais do que a mudança da característica dos jogadores, foi tentar buscar oi melhor momento de cada atleta. Especialmente. Porque os 120 dias da pandemia, com retorno em 11 jogos numa sequência enlouquecida. Nós não estamos com todos os atletas ainda no ritmo. Os jogadores ainda recentes, deste período parado, num ano completamente atípico. Então esse momento, a escalação, forma de jogar, baseado, sobretudo, na forma como o Rodrigo jogou muito tempo de sua vida, atuando bem, com possibilidade de botar o Élber para dentro e ter as puxadas de velocidade, como aconteceu, e ter o Danielzinho do lado, como ele estava jogando no estadual. Um equilíbrio e uma forma de jogar em que a gente teria mais a bola, mas a dúvida que se dissipou durante o jogo é se a gente teria capacidade, como teve, de atacar isso. Ficou bem claro durante o jogo inteiro", disse.

E seguiu: "Como profissional do futebol há quase 30 anos, eu procuro administrar as pressões com a maior naturalidade possível e não permitir que elas influenciem nas minhas decisões. A escalação, a forma, os nomes, a característica, eu os defino junto com a minha comissão técnica. Nenhuma pressão me motiva a mudar equipe", completou Roger.

O Bahia criou boas oportunidades até marcar o gol com Rodriguinho, mas viu o Coritiba crescer no segundo tempo. Questionado sobre a queda de rendimento, Roger acredita que a mudança de ritmo da etapa final está associada ao desempenho do adversário. "Jogar como mandante, você vai propor e vai jogar de forma reativa, dependendo do momento do jogo. A queda de rendimento... Para mim, não houve uma queda. Houve uma superioridade do adversário, que conseguiu produzir, em alguns momentos, mais do que a gente. O que faz parte do esporte, afinal de contas", analisou.

Por fim, o treinador voltou a lamentar a perda do título da Copa do Nordeste e frisou a importância de ter vencido na estreia do Brasileirão. "Além de todo o elemento de estreia, tudo que envolve emocionalmente uma estreia, emocionalmente, mesmo depois de a gente ter conquistado um título baiano, infelizmente ter perdido a Copa do Nordeste, parece que nós entramos numa crise, num parafuso. Isso tira a energia dos jogadores também. Então por isso era importante vencer", concluiu Roger.

O Tricolor somou os três primeiros pontos no Brasileirão e ocupa momentaneamente a 6ª posição na tábua de classificação. A próxima partida do Bahia na competição nacional é domigo (16), às 16h, contra o Red Bull Bragantino, em Pituaçu. 

RADAR DA BAHIA